FANDOM


IA - Inteligência Artificial e a Ética Editar

1. Um robô não pode ferir um ser humano ou, por omissão,permitir que um ser humano sofra algum mal.
2. Um robô deve obedecer as ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens contrariem a Primeira Lei.
3. Um robô deve proteger sua própria existência, desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e a Segunda Lei.
(Manual de robótica – Livro: Eu, Robot – Isac Asimov –Editora: Edibolso)

A ética é encarada como a responsável pelos rumos adotados pela ciência. A pretensão de se criar uma Inteligência Artificial, que possa ser comparada a inteligência humana é alvo de críticas e defesas, que não apenas se limitam ao campo científico. Questões éticas são o centro no qual livros e filmes convidam a população a pensar como seria o futuro convivendo com máquinas pensantes.

Conceitos Editar

Ética e Inteligência Artificial

Segundo a Wikipédia, a ética do latim "ethica", do grego "ethiké", é um ramo da filosofia, e um sub-ramo da axiologia, que estuda a natureza do que consideramos adequado e moralmente correto. Pode-se afirmar também que Ética é, portanto, uma Doutrina Filosófica que tem por objeto a Moral no tempo e no espaço, sendo o estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana.Existem três principais teorias sobre as quais se baseiam a ética: A ética deontológica – que estuda a intenção das ações das pessoas e dos impactos dessas ações no relacionamento entre as pessoas, na qual parece se basear a ética ocidental que prega a igualdade e respeito a que todos tem direito; o relativismo, que diz que a avaliação de uma ação com ética ou não depende da cultura, do tempo e do local onde essa ocorreu e por isso é alvo de severas críticas; e o utilitarismo, teoria que orienta que uma escolha deve ser feita de modo a se obter o melhor e o maior valor.

A ética é voltada aos pensamentos, atos e comportamentos do homem dentro da sua sociedade. Todo avanço tecnológico vem acompanhado de inúmeros questionamentos éticos por estar se propondo a mudar a vida e com isso alterar possíveis relações e comportamentos humanos.No campo da Inteligência Artificial (IA) não é diferente. Este tema vem sendo motivação para pesquisas e divagações das pessoas, que dentre os possíveis benefícios trazidos, se preocupam também com as questões sociais a serem consideradas. Muitas vezes a importância que se dá a ética é narcisista, pois acha-se que ela está em volta para evitar que avanços tecnológicos não ocasione prejuízos ao homem, em lugar de se pensar em viver em equilíbrio com tudo em volta do mundo. Estudos sobre máquinas éticas, valores de privacidade e propriedade devem ser a chave para as pesquisas sobre sistemas autônomos dentro da IA.

Na ficcção Editar

AI – Artificial Intelligence (filme, 2001)

21010605 20130606000334824.jpg

No filme IA, do ponto de vista da psicanálise, os robôs aparentemente apresentam mais humanidade que seus próprios criadores, isso por não estarem imersos em dilemas entre o bem e o mal, em não estarem em constante luta por equilibrar seus ímpetos de agressividade, sexualidade, desejos e outros sentimentos humanos. É esta consciência dos seus dois lados que permitem aos humanos as escolhas éticas. O filme mostra o que Freud chama de narcisismo, pois a adoção dos robôs tem como objetivo a satisfação de desejos do indivíduos de forma a não se preocupar com eles (os robôs), se guardado das dores e do comprometimento em respeitá-los. E ainda para complementar, mostra a intolerância a dor e ao sofrimento. O que aproximaria o robô David (principal personagem do filme) da humanidade é o desejo incessante de realização dos seus sonhos, por mais fantasiosos que estes sejam.
Matrix (trilogia, 1999)

The Matrix Poster.jpg

Filmes como a trilogia Matrix, mostram o outro lado desse comportamento, onde as máquinas dominaram o homem. Mostram o outro lado, pois para estes filmes quem iniciou a escravidão foram os homens subjugando as máquinas. O filme apresenta a liberdade como algo pela qual a humanidade continuará lutando durante séculos. Não só a liberdade dos humanos, seria uma preocupação ética de se criar tais seres artificiais, mas também a liberdade das máquinas é motivo de preocupação.
Eu, Robot (livro, 1976)

200px-I, Robot.jpg

Nos dois últimos contos do romance de Issac Asimov, temos mais alguns exemplos de problemas que poderiam ser gerados com a criação de robôs inteligentes e com capacidade de participar da sociedade como um membro natural dela. A possibilidade de uma não diferenciação entre máquinas e humanos também causaria discussões na sociedade. A necessidade de se fazer testes para provar a natureza do humanóide seria delicada e digna de ir aos tribunais. Imagine uma máquina pensante e humanóide infiltrada entre nós humanos para de alguma forma passar por uma fase de teste, para nos acostumarmos com os robôs em sociedade humanas, sem o conhecimento da população? Seria mais uma forma de ser controlado e privados do direito de opinar sobre decisões impactantes. Pior seria se tais robôs não tiverem consciência da sua natureza. E se não houvesse como provar tal natureza? E se não houvesse como provar que alguém é um robô ou humano? Segundo o livro, o robôs não teriam direito a privacidade, mas como provar que são robôs sem estar invadindo a privacidade de um possível ser humano? Com tais criaturas convivendo na sociedade, até problemas de uma pessoa ser enganada e até se apaixonar por uma máquina involuntariamente, como há casos como o apresentado no citado livro de ficção, de um possível robô criado para assumir o lugar de um humano inválido assumir cargos de dirigência, públicos e de alto poder sobre a sociedade. Ou ainda casos reais de pessoas que se apaixonaram por chaters bots. Também é acusado, no livro, o problema da segregação: o não uso de robôs em sociedades humanas, sob alegação de possível concorrência desleal à mão-de-obra humana, acarretando o aumento do desemprego e diferenças sociais. O romance finaliza-se mostrando que, seguindo sempre a risca as 3 leis da robótica, as máquinas pensantes iriam governar a humanidade de modo a evitar que esta se faça mal. Com isso estaríamos sem liberdade, porém livres de pragas sociais como desemprego, guerras, instabilidade econômica, violência, corrupção e outras. Isso é ou não o que se espera para o futuro? Sim, mas não nestas condições...

Conclusão Editar

IA é um tema que está em ascensão na atualidade e traz consigo várias questões e problemáticas éticas às quais devemos debater e amadurecer nossas opiniões. O desenvolvimento tecnológico deve estar em sintonia com as questões sociais para não trazermos mais diferenças sociais, escravidão, exclusão de qualquer espécie a qualquer espécie de ser componente da sociedade ou a qualquer ser dotado de inteligência e sentimento e com isso passível ao sofrimento. Os profissionais de IA devem está em sintonia com a população e conceitos éticos para orientar seus estudos e não causarem prejuízos a humanos e suas criaturas. Apesar de seu caráter subjetivo, a ética é a melhor maneira de guiar os rumos dos avanços não apenas em IA, mas também em outros campos do conhecimento. O entendimento sobre o que é inteligência e sobre o que seria um programa ou máquina pensante deve ser trabalhado para que não ocorram impasses e turbulência social no futuro. Liberdade e livre arbítrio são noções que estão envolvidas a vários grandes incidentes sociais da humanidade e que podem adentrar e ocasionar problemas éticos no campo IA. Estas discussões sobre a ética na IA podem ajudar a nos auto entender e agir, além de desenvolvermos uma noção de ética na sociedade.

Referências Editar

Paz, Mônica de Sá Dantas, "Inteligência Artificial e Ética". Disponível em: http://wiki.colivre.net/pub/Monica/EticaEIA/IAeticaMonica.pdf

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória